Contato

Aqui você poderá solicitar a inclusão de seu e-mail para receber as novidades como produtos ou artigos novos.

Em Formulário você poderá escrever sua dúvida ou enviar sugestões para o autor do site.



Horticultura

 
Folhas, raízes, bulbos, tubérculos e flores usadas no dia a dia com poderes medicinais.


 


ABÓBORA Cucurbita pepo

Propriedades: Adstringente, laxante, diurética, alcalinizante. A decocção da polpa é indicada nos casos de diarréia e gases; o sumo da polpa para prisão de ventre. O cataplasma das folhas são indicadas em casos de queimaduras, inflamações e dores de ouvido. É um excelente vermífugo, principalmente para crianças. É tônico para o cérebro, fígado, rins e intestinos 

ACELGA Beta vulgaris var. cicla

Propriedades: Laxante, emoliente, tônico estomacal, anti-reumática, estimulante das funções cerebrais. São usadas contra cálculos da vesícula e suas folhas como cataplasma em furúnculos e feridas. Quando misturada em partes iguais com o suco do agrião, combate os cálculos biliares (toma-se 1 copo em jejum). 

ALFACE Lactuca sativa

Propriedades: Laxante, eupéptica, mineralizante, desintoxicante, diurético, anti-ácido, anti-reumático e sonífero. É utilizada como calmante e como base para produtos de beleza (rejuvenescedores). É útil também contra a insônia, excitação nervosa, palpitações, reumatismo, hipocondria e conjuntivites.
 
ALFAFA Medicago sativa

Propriedades: Analgésico, diurético (frutos) e antiespasmódico.  É uma das plantas mais usadas pela indústria para a obtenção da vitamina K e clorofila. É indicada nos casos de anemia e deficiência em vitamina K e cálcio. Nesses casos, usa-se o chá e o suco das folhas.
Toxicologia: Quando consumida fresca causa distúrbios tais como inchações e inflamações internas. 

ALHO Allium sativum
 
Propriedades: O alho é uma erva medicinal poderosa para o tratamento em uma infinidade de problemas de saúde. É uma das mais efetivas plantas com poder antibiótica, agem em bactérias, vírus e parasitas. Também ataca muitas infecções, incluindo aquelas do nariz, garganta e tórax. Alho é também conhecido por reduzir colesterol, ajuda desordens do sistema circulatório, tal como pressão alta, e abaixa níveis de açúcar no sangue, é muito útil em casos de diabetes. Antibiótico, expectorante, diaforético, hipotensivo, antiespasmódico, expele vermes.
 
AÇAFRÃO Crocus sativus

Propriedades: Açafrão é usado como um preventivo para doença de coração, e previne a formação de colesterol. Também é usado para acalmar as membranas do estômago e cólon. Não deve ser tomado em doses grandes, nem deve ser tomado por mulheres grávidas, pois é planta venenosa e sempre deve ser tomado sob consulta. Sedativo e antiespasmódico, estimulante difusivo, emenagogo, antiespasmódico. 

AGRIÃO Nasturtium officinalis

Propriedades: Estimulante, depurativo, tonificante, vermífugo, cicatrizante e balsâmico. Combate o escorbuto, cálculos renais, gota, artrite, reumatismo e gases intestinais. O chá das folhas é diurético e indicado como emplasto no pescoço, junto com a argila, para curar a glândula tireóide.
Toxicologia: Quando usado em excesso provoca irritação no estômago e vias urinárias.  
 
AIPO Apium graveolens

Propriedades: Mais familiar como um legume que como uma erva medicinal, aipo encontra seu uso principal no tratamento para reumatismo, artrite e gota. Contendo apiol, as sementes são também utilizadas como um anti-séptico urinário. Aipo é bom para a limpeza do intestino, é diurético, e as sementes são utilizadas especificamente para problemas de artrite. As sementes também têm uma reputação como um carminativo e como um tranqüilizante de efeito moderado. Os talos são menos significantes medicinalmente. Anti-reumático, antiespasmódico, diurético, anti-séptico das vias urinárias. 
 
ASPARGO Asparagus officinalis

Propriedades: Pode ser usado na forma de decocção contra problemas do coração e é diurético, usando-se 50g de raiz para 1 litro de água, sem açúcar e entre as refeições. Contra a obesidade pode ser fervida 50 g de raiz em 3/4 de água e bebida durante o dia.
 
BERINJELA Solanum melongena

Propriedades: Oxidante, remineralizante, alcalinizante, calmante, resolutiva, diurética, emoliente(folhas),digestiva.  Reduz a ação de gorduras no fígado e diminuir o colesterol. Diminui o colesterol, combate a inflamação dos rins e uretra, as enfermidades do fígado e estômago. Suas folhas servem para o preparo de cataplasmas para queimaduras, abcessos e herpes. O suco do fruto é bom diurético.
 
BETERRABA Beta vulgaris

Propriedades: anti-anêmico, tônico cardíaco, diurético e anti-reumático.  Combate inflamações, estresse, a anemia, facilita a digestão, regula os intestinos e controla a cor do sangue. O chá das folhas é ótimo para anemia. O tubérculo é alimentício.
 


 

Você sabe de onde veio a nossa alface?

A nossa moderna alface, Lactuca sativa, é originada da Lactuca serriola (Fig. 1 e 2), que ainda pode ser vista em toda a Europa e em regiões de clima temperado em algumas partes da Ásia. É provável que tenha se originada da região mediterrânica sobre áreas rochosas ou clareiras florestais . Este antigo parente selvagem da moderna alface contém propriedades semelhantes ao ópio. Os romanos se aproveitaram desta propriedade, comer alface, no final de uma refeição para induzir ao sono.

Em outros tempos os Egípcios também usavam a alface com a mesma função. No entanto, assim como uma ajuda para dormir, foi também associado com a virilidade masculina. A planta da alface cresce na forma de parafuso verticalmente para cima, isso combinado com uma substância leitosa que exuda quando cortada(Fig. 3), era visto como um símbolo do sexo masculino (ejaculação).

Com o grande número de variedades de alface existentes, é praticamente impossível afirmar sua origem exata. Certamente os romanos e egípcios continuaram a utilizar a alface na alimentação muito depois dessas grandes civilizações começarem a declinar. Muitas variedades podem ter cruzadas com o tipo selvagem L. serriola até chegar a nossa moderna L. sativa.
 
 
Fig. 2
 

Fig. 3


Uso medicinal. 

A planta é rica em uma seiva leitosa que endurece e seca quando entra em contato com o ar. A seiva contém 'lactucarium', que é utilizada por possuir propriedades anodina, antiespasmódica, digestiva, diurética, hipnótica, narcótica e sedativa. É usada no tratamento de insônia, ansiedade, neuroses, hiperatividade em crianças, tosse seca, dores reumáticas. A quantidade de lactucarium é baixa em plantas jovens e mais concentrada na fase de floração. 

A planta deve ser usada com cautela, e nunca sem a supervisão de um profissional capacitado. Mesmo em doses normais podem causar sonolência enquanto o excesso provoca inquietação e pode causar a morte por overdose.


 

Cogumelo do sol: a arma mais poderosa contra o câncer (Agaricus blazei Murril).

Introdução

Em pesquisas realizadas no  Japão, Estados Unidos e Brasil constatou-se que o Agaricus  blazei Murril  tem na sua composição  vitaminas do tipo B1 , B2, proteínas em forma de  aminoácidos, ergosterol, niacina, fósforo, ferro, cálcio, e é rico em  proteínas polissacarídeos como beta-glucan, sendo este componente o que mais despertou interesse  por parte dos pesquisadores, pois ele atua no sistema imunológico, aumentando  as defesas naturais do organismo  e também por ter um efeito  anticancerigeno  tais como no carcinoma ascistoso  Ehrlih, câncer do colo de  sigmoide, câncer de ovário, câncer de mama, câncer  dos pulmões e câncer de fígado.
 
O cogumelo Agaricus blazei Murrill é um alimento carcinostático que melhora a função da imunidade do corpo humano. Em pesquisas recentes realizadas pela escola médica da universidade Mie e pela faculdade de agricultura da universidade de Kobe e pelo instituto de Iwade Fungology, foi divulgado que o A. blazei Murrill tem efeito anticancerígeno.  Encontrou-se também que ele ativa o linfócito –T, controla o sistema imune e ativa os macrófagos.  Além disso, provou-se que tem o efeito antialergênico e acelera o movimento cardíaco.
 
Indicação

O Cogumelo, além de ser excelente suplemento alimentar, tem indicação para:
Câncer: Efeitos no controle e prevenção de diversos tipos de Câncer. Auxilia nos efeitos negativos da quimio e radioterapia.
Doenças do aparelho respiratório: Bronquite crônica e asma.
Doenças do aparelho circulatório: Efeito hipotensivo.
Doenças do aparelho digestivo: Úlcera duodenal, Úlcera gástrica, Gastrite crônica, Estomatite,
Pólipos, Lesões cutâneas.
Sistema Imunológico: Células Natural Killer.
Aparelho urinário: Cistite, Nefrite, Insuficiência renal, problemas da próstata.
Outras doenças: Alergia, Colesterol alto, Diabetes, Inflamação mamaria, Menopausa, sinusite, Rinite, Eczema, Bursite.

Ingredientes do Cogumelo seco:

Água    7,5%
Proteína    36,7%
Gordura    3,4%
Fibra    6,8%
Cinza    7,3%
Açúcar    38,3%
Fósforo    939 mg-100g
Ferro    18,2%
Cálcio    41,6% mg-100 g
Vitamina B.1    0,48 mg - 100 g
Vitamina B.2    2,84 mg - 100 g
Ergosterol    354 mg - 100g
Niacina    40,9 mg - 100 g.

Posologia

O Cogumelo é recomendado na quantidade de 10 a 40 g para um litro de água.

Amolecê-los por 5 minutos e acrescentar o resto da água. Ferver por uma hora até que o volume diminua para 1/4 da água colocada.  Usar somente recipiente de vidro, ágata ou ferro (não usar alumínio). Depois de preparado colocar em uma garrafa térmica ou na geladeira em jarra de aço ou vidro e tomar entre as refeições.  Para a não formação de fenol, após o chá pronto recomenda-se acrescentar de 5 a 8 gotas de limão (ácido ascórbico). Não acrescentar açúcar ou adoçante; eventualmente uma pitada de sal. O Cogumelo utilizado no preparo poderá ser guardado no freezer e aproveitado para o preparo de refogados com verduras, legumes ou carnes, pois ainda tem propriedades ativas.

Sugere-se começar o tratamento com 25 g por dia. Deverá haver melhora a partir do 10º dia.  O tratamento deverá ser feito de 90 a 180 dias para então diminuir gradualmente a 10 g ao dia, dando assim continuidade de manutenção por período indeterminado. Para manter as qualidades originais deve ser mantido em saco plástico muito bem fechado em local seco e fresco sem exposição direta à luz ou no freezer. Como qualquer planta medicinal o seu efeito funciona como o da homeopatia: a regularidade, continuidade e a quantidade exata do cogumelo usado no preparo são essenciais.

Contra indicações

Até hoje não foi constatada nenhuma contra-indicação.  Eventualmente poderá ocorrer diarréia temporária no início do tratamento.

Não é indicado para pessoas em tratamento após transplantes.
 
Formas de consumo

Recomenda-se o consumo de 10 gramas diárias do Cogumelo do sol. No caso do cogumelo em pó 10 g correspondem a 1 colher de sopa (cheia). No caso do cogumelo desidratado, 10g correspondem a meia xícara de chá.

Esta quantidade pode ser ingerida misturando-se o cogumelo ao alimento. Ex: Amassar uma banana, colocar uma colher de sopa de cogumelo em pó (10g) e 1 colher de sopa de farinha láctea. Gotinhas de limão ou algum podem ajudar na fixação do Beta-glucan no organismo. 

Complemento alimentar

Recomenda-se o consumo de 40 gramas diárias.

Dosagem

No caso do cogumelo em pó 10 g correspondem a 1 colher de sopa (cheia) portanto 40 gramas correspondem a 4 colheres de sopa diárias que não necessariamente precisam ser tomadas de uma só vez. Elas podem ser ingeridas ao longo do dia. Ex. De manhã na banana amassada (10 g), no almoço mais 10 g colocadas sobre o feijão (no prato já pronto), à tarde misturado ao caldinho de feijão ou suco de frutas (mais 10g) e à noite misturada à sopa (mais 10 g no prato já pronto).

No caso do cogumelo desidratado, 10g correspondem a meia xícara de chá, portanto a ingestão diária recomendadas para pessoas doentes deve ser de 40 g ou 2 xícaras de chá de cogumelo. Ex. Misturar o cogumelo no prato de comida ou bater junto com o suco de frutas.
Obs. Sempre que ingerido na presença de vitamina C (limão, laranja, acerola...), a absorção do Beta-glucan pelo organismo se faz de maneira mais eficiente.
 

O Cogumelo do sol é apresentado  nas seguintes formas: cogumelos desidratados fragmentados ou em pó.

Re-hidratado:  Utilize o Cogumelo do sol re-hidratado em refogados de legumes, carnes, saladas, omeletes, recheios de tortas, etc. Pratos que requeiram pouco tempo de cozimento.

Em pó:  Adicione diretamente o Cogumelo do sol em pó em vitaminas, sucos, leite, cremes, cereais matinais, caldos, etc.

Ex. De manhã na banana amassada (10 g), no almoço mais 10 g colocadas sobre o feijão (no prato já pronto), à tarde misturado ao caldinho de feijão ou suco de frutas (mais 10g) e à noite misturada à sopa (mais 10 g no prato já pronto).

Desidratado fragmentado: Adicione diretamente no preparo de pratos que requeiram um tempo maior de cozimento (em panela de pressão, por exemplo). O Cogumelo do sol desidratado pode ser adicionado diretamente no prato sobre  o feijão, a molhos, sopas, cozidos de legumes, etc.  Ex: Misturar o cogumelo no prato de comida ou bater junto com o suco de frutas. 

Hidratação

Para hidratar o Cogumelo do sol, basta deixá-lo de molho em água filtrada por ½ hora antes do preparo do prato.

Não jogue fora a água usada para hidratação, utilize-a no preparo de outros alimentos.

Forma de preparo

Preparar em infusão: ferver meio litro de água (500ml), desligar o fogo e colocar 50g (DUAS XÍCARA DE CAFÉ) do Cogumelo em pó, abafar e esperar esfriar. Para casos graves, tomar um copo por dia; para casos médios, tomar meio copo por dia e para prevenção, tomar uma xícara de café por dia.

O pó depois de usado deve ser colocado na comida.
 
O COGUMELO PODE SER ADQUIRIDO DIRETO PELA INTERNET, EXISTEM VÁRIAS EMPRESAS QUE PRODUZEM E COMERCIALIZAM, MAS TOME CUIDADO COM OS PREÇOS QUE PODEM VARIAR DE R$ 200,00 A R$ 1.000,00 O QUILOGRAMA.
 

Bibliografia


1.    Fujimiya Y, Suzuki Y, Oshima K, Kobori H, Moriguchi K, et al. Selective tumoricidal effect of soluble proteglucan extracted from the basidiomycete, Agaricus blazei Murill, medi ated via natural killer cell activation and apoptosis. Cancer Immunol Immunother 1998;46:147– 59.

2.    Mizuno M, Morimoto M, Minato K, Tschida H. Polysaccharides from Agaricus blazei stimulate lymphocyte T-cell subsets in mice. Biosci Biotechnol Biochem 1998;62:434– 7.

3.    Ebina T, Fujiyama Y. Antitumor effect of a peptide-glucan preparation extracted from Agaricus blazei Murill in a double-grafted tumor system in mice. Biotherapy 1998;11: 259–65.

4.    Nakajima A, Ishida T, Koga M, Takeuchi T, Mazda O, et al. Effect of hot water extract from Agaricus blazei Murill on antibody-producing cells in mice. Int Immunopharmacol 2002;2:1205– 11.

5.    Sorimachi K, Akimoto K, Ikehara Y, Inafuku K, Okubo A, Yamazaki S. Secretion of TNF-alpha, IL-8 and nitric oxide by macrophages activated with Agaricus blazei Murrill fractions in vitro. Cell Struct Funct 2001;26:103–8.

6.    Takusaburo E, Yoshiaki F. Antitumor effect of peptide-glucan preparation extracted from Agaricus blazei in a double-grafted tumor system in mice. Biotherapy (Dordrecht) 1998; 11:259–65.

7.    Takaku T, Kimura Y, Okuda H. Isolation of an antitumor compound from Agaricus blazei Murill and its mechanism of action. J Nutr 2001;131:1409 –13.

8.    L. Chen, H.J. Shao*, Y.B. Su Coimmunization of Agaricus blazei Murill extract with hepatitis B virus core protein through DNA vaccine enhances cellular and humoral immune responses. International Immunopharmacology xx (2004) xxx–xxx

9.    Delmanto, R.D., Lima, P.L.A., Sugui, M.M., Eira, A.F., Salvadori, D.M.F., Speit, G., Ribeiro, L.R., 2001. Antimutagenic effect of Agaricus blazei Murrill mushroom on the genotoxicity induced by cydophosphamide. Mutation Research 496, 15–21.

10.    Kawagishi, H., Inagaki, R., Kanao, T., Mizuno, T., Shimura, K., Ito, H., Hagiwara, T., Nakamura, T., 1989. Fractionation and antitumor activity of the water-insoluble residue of Agaricus blazei fruiting bodies. Carbohydrate Research 186, 267–273.

11.    Kawagishi, H., Kanao, T., Inagaki, R., Mizuno, T., Shimura, K., Ito, H., Hagiwara, T., Nakamura, T., 1990. Formolysis of a potent antitumor (1–6) b-D-glucan-protein complex from Agaricus blazei fruiting bodies and antitumor activity of the resulting products. Carbohydrate Polymers 12, 393–403.

12.    Kuroda, Y., Jain, A.K., Tezuka, H., Kada, T., 1992. Antimutagenicity in cultured mammalian cells. Mutation Research 267, 201–209.

13.    Menoli, R.C.R.N., Mantovani, M.S., Ribeiro, L.R., Speit, G., Jordão,B.Q., 2001. Antimutagenic effects of the mushroom Agaricus blazei Murrill extracts on V79 cells. Mutation Research 496, 5–13.

14.    Mizuno, T., 1995. Bioactive biomolecules of mushrooms—food, function and medicinal effect of mushroom fungi. Food Review International 11, 7–21.

15.    Osaki, Y., Kato, T., Yamamoto, K., Okubo, J., Miyazaki, T., 1994. Antimutagenic and bacterial substances in the fruit body of a basidiomycete Agaricus blazei. Yakugaku-Zasshi 114, 342–350.

16.    Pereira, C.A.B., 1991. Teste estatístico para comparar proporções em problemas de citogenética. In: Rabello-Gay, M.N., Rodrigues, M.A.L.R., Montelleone-Neto, R. (Eds.), Mutagênese, Teratogênese e Carcinogênese, Métodos e Critérios de Avaliação. FCA, São Paulo, pp. 113–121.

17.    Speit, G., Hartmann, A., 1999. The comet assay (single-cell gel test).In: Henderson, D.S. (Ed.), Methods in Molecular Biology, Vol. 113, DNA Repair Protocols: Eukaryotic Systems. Humana Press, Totowa, NJ, pp. 203–212.

18.    Takasaburo, E., Yoshiaki, F., 1998. Antitumor effect of peptide-glucan preparation extracted from Agaricus blazei in a double-grafted tumor system in mice. Biotherapy Dordrecht 11, 259–265.

19.    Waters, M.D., Brady, A.L., Stack, H.F., Brockman, H.E., 1990. Antimutagenicity profiles for some model compounds. Mutation Research 238, 57–85.

20.    J. Martins de Oliveira, B.Q. Jordão, L.R. Ribeiro, A. Ferreira da Eira, M.S. Mantovani.*Anti-genotoxic effect of aqueous extracts of sun mushroom (Agaricus blazei Murill lineage 99/26) in mammalian cells in vitro. Food and Chemical Toxicology 40 (2002) 1775–1780

21.    Fujimiya, Y., Suzuki, Y., Takakura, R., Ebina, T., 1999. Tumorspecific cytocidal and immunopotentiating effects of relatively low molecular weight products derived from the basidiomycetes, Agaricus blazei Murril. Anticancer Research 19, 113_/118.

22.    Itoh, H., Ito, H., Amano, H., Noda, H., 1994. Inhibitory action of a (10/6)-b-D-glucan_/protein complex (FIII-2-b) isolated from Agaricus blazei Murill (‘Himematsutake’) on Meth A fibrosarcomabearing mice and its antitumor mechanism. Japanese Journal of Pharmacology 66, 265_/271.

23.    Kawagishi, H., Inagaki, R., Kanao, T., Mizuno, T., Shimura, K., Itos, H., Hagiwara, T., Nakamura, T., 1989. Fractionation an antitumor activity of the water-insoluble residue of Agaricus blazei fruiting bodies. Carbohydrate Research 186, 267_/273.

24.    Menoli, R.C.R., Mantovani, M.S., Ribeiro, L.R., Speit, G., Jordão, B.Q., 2001. Antimutagenic effects of the mushroom Agaricus blazei Murrill extracts on V79 cells. Mutation Research 496, 5_/13.

25.    Mizuno, T., Saito, H., Nishitoba, T., Kawagishi, H., 1995. Antitumoractive substances from mushrooms. Food Reviews International 11, 23_/61.

26.    Mizuno, M., Morimoto, M., Minato, K., Tsuchida, H., 1998. Polysaccharides from Agaricus blazei stimulate lymphocyte T-cell subsets in mice. Biosciences Biotechnology and Biochemistry 63, 434_/437.

27.    Takaku, T., Kimura, Y., Okuda, H., 2001. Isolation of an antitumor compound from Agaricus blazei Murill and its mechanism of action. Journal of Nutrition 131, 1409_/1413.

28.    Toth, B., 1995. Mushroom toxins and cancer. International Journal of Oncology 6, 137_/145(Review).

29.    Wasser, S.P., Weis, A.L., 1999. Therapeutic effects of substances occurring in higher Basidiomycetes mushrooms: a modern perspective. Critical Reviews in Immunology 19, 65_/96.

30.    L.F. Barbisan, M. Miyamoto, C. Scolastici, D.M.F. Salvadori, L.R. Ribeiro, A.F. Eira, João Lauro Viana de Camargo. Influence of aqueous extract of Agaricus blazei on rat liver toxicity induced by different doses of diethylnitrosamine. Journal of Ethnopharmacology 83 (2002) 25_/32

31.    Qun Dong, Jian Yao, Xiao-tong Yang, Ji-nian Fang. Structural characterization of a water-soluble _-D-glucan from fruiting bodies of Agaricus blazei Murr. Carbohydrate Research 337 (2002) 1417–1421

32.    Higaki M, Eguchi F, Watanabe Y. A stable culturing method and pharmacological effects of the Agaricus blazei. Folia Pharmacol Jpn 1997;110(suppl 1):98-103.

33.    Fujimiya Y, Suzuki Y, Oshiman K, Kobori H, Moriguchi K, Nakashima H, et al. Selective tumorcidal effect of soluble proteoglucan extracted from the basidomycete Agaricus blazei Murill, mediated via natural killer cell activation and apoptosis. Cancer Immunol Immun 1998;46:147-59.

34.    Fujimiya Y, Suzuki Y, Katakura R, Ebina T. Tumor-specific cytocidal and immunopotentiating effects of relatively low molecular weight products derived from the basidomycete Agaricus blazei Murill. Anticancer Res 1999;19:113-8.

35.    Yoshiko O, Tetsuta K, Kazuko Y, Junya O, Toshio M. Antimutagenic and bactericidal substances in the fruit body of a basidomycete Agaricus blazei, Jun-17. Yakugaku Zasshi 1994; 114:342-50.

36.    Kawagishi H, Katsumi R, Sazawa T, Mizuno T, Hagiwara T, Nakamura T. Cytotoxic steroids from the mushroom Agaricus blazei. Phytochemistry 1988;27:2777-9.

37.    Yuh-Chi Kuo, Yu-Ling Huang, Chieh-Chih Chen, Yz-Sheng Lin, Kai-An Chuang and Wei-Jern Tsai Cell cycle progression and cytokine gene expression of human peripheral blood mononuclear cells modulated by Agaricus blaze.i J Lab Clin Med. Volume 140, Number 3, 2002.

38.    Ooi VE, Liu F. Immunomodulation and anti-cancer activity of polysaccharide –protein complexes. Curr Med Chem 2000; (7):715–29.

39.    Hamuro J, Rollinghoff M, Wagner H. h(1–3) Glucan-mediated augmentation of alloreactive murine cytotoxic T-lymphocytes in vivo. Cancer Res 1978;38:3080–5.

40.    Fujimiya Y, Suzuki Y, Oshima K, Kobori H, Moriguchi K, et al. Selective tumoricidal effect of soluble proteoglucan extracted from the basidiomycete, Agaricus blazei Murill, mediated via natural killer cell activation and apoptosis. Cancer Immunol Immunother 1998;46:147–59.

41.    Ebina T, Fujiyama Y. Antitumor effect of a peptide-glucan preparation extracted from Agaricus blazei in a double-grafted tumor system in mice. Biotherapy 1998;11:259– 65.

42.    Mizuno M, Morimoto M, Minato K, Tsuchida H. Polysaccharides from Agaricus blazei stimulate lymphocyte T-cell subsets in mice. Biosci Biotechnol Biochem 1998;62:434–37.

43.    Nakajima, T. Ishida, M. Koga, T. Takeuchi, O. Mazda, M. Takeuchi. Effect of hot water extract from Agaricus blazei Murill on antibody-producing cells in mice. International Immunopharmacology 2 (2002) 1205–1211

44.    Hirotani, M., Hirotani, S., Takayanagi, H., Yoshikawa, T., 1999. Blazeispirol A, an unprecedented skeleton from the cultuted mycelia of the fungus Agaricus blazei. Tetrahedron Letters 40, 329–332.

45.    Hirotani, M., Hirotani, S., Yoshikawa, T., 2000a. Blazeispirol X andY, two novel carbon skeletal sterols from the cultured mycelia of the fungus Agaricus blazei. Tetrahedron Letters 41, 5107–5110.

46.    Hirotani, M., Hirotani, S., Yoshikawa, T., 2001. Blazeispirol D and Z, as the actual intermediates of blazeispirol A biosynthesis from the cultured mycelia of the fungus Agaricus blazei. Tetrahedron Letters 42, 5261–5264.

47.    Hirotani, M., Kaneko, A., Asada, Y., Yoshikawa, T., 2000b. Biosynthesis of blazeispirol A, an unprecedented skeleton from the cultuted mycelia of the fungus Agaricus blazei. Tetrahedron Letters 41, 6101–6104.

48.    Ito, H., Shimura, K., Itoh, H., Kawade, M., 1997. Antitumor effects of a new polysaccharide-protein complex (ATOM) prepared from Agaricus blazei (Iwade strain 101) ‘‘Himematsutake’’ and its mechanisms in tumor-bearing mice. Anticancer Research 17, 277–284.

49.    Kawagishi, H., Inagaki, R., Kanao, T., Mizuno, T., Shimura, K., Ito, H., Hagiwara, T., Nakamura, T., 1989. Fractionation and antitumor activity of the water-insoluble residue of Agaricus blazei fruiting bodies. Carbohydrate Research 186, 267–273.

50.    Kawagishi, H., Katumi, R., Sazawa, T., Mizumo, T., Hagiwara, T., Nakamura, T., 1988. Cytotoxic steroids from the mushroom Agaricus blazei. Phytochemistry 27, 2777–2779.

51.    Mizuno, T., Hagiwara, T., Nakamura, T., Ito, H., Shimura, K., Sumiya, T., Asakura, A., 1990. Antitumor activity and some properties of water-soluble polysaccharides from ‘‘Himematutake’’, the fruiting body of Agaricus blazei Murill. Agricultural and Biological Chemistry 54, 2889–2896.

52.    Mizuno, M., Morimoto, M., Minato, K., Tsuchida, H., 1998. Polysaccharides from Agaricus blazei stimulate lymphocyte T-cell subsets in mice. Bioscience, Biotechnology, Biochemistry 62, 434–437.

53.    Osaki, Y., Kato, T., Yamamoto, K., Okubo, J., Miyazaki, K., 1994. Antimutagenic and bactericidal substances in the fruit body of a Bacidiomycete Agaricus blazei. Yakugaku Zasshi 114, 342–350.

54.    Masao Hirotani, Kou Sai, Seiko Hirotani, Takafumi Yoshikawa. Blazeispirols B, C, E and F, des-A-ergostane-type compounds, from the cultured mycelia of the fungus Agaricus blazei Phytochemistry 59 (2002) 571–577

55.    Y. Osaki, T. Kato, K. Yamamoto, J. Okubo, T. Miyazaki, Antimutagenic and bactericidal substances in the fruit body of a Basidiomycete Agaricus blazei, Yakugaku-Zasshi 114 (1994) 342–350.

56.    H. Kawagishi, R. Inagaki, T. Kanao, T. Mizuno, K. Shimura, H. Ito, T. Hagiwara, T. Nakamura, Fractionation and antitumor activity of the water-insoluble residue of Agaricus blazei fruiting bodies, Carbohydr. Res. 186 (1989) 267–274.

57.    H. Kawagishi, T. Kanao, R. Inagaki, T. Mizuno, K. Shimura, H. Ito, T. Hagiwara, T. Nakamura, Formolysis of a potent antitumor (1-6)-_-d-glucan–protein complex from Agaricus blazei fruiting bodies and antitumor activity of the resulting products, Carbohydr. Polymers 12 (1990) 393–403.

58.    T. Mizuno, R. Inagaki, T. Kanao, T. Hagiwara, T. Nakamura, H. Ito, K. Shimura, T. Sumiya, A. Asakura, Antitumor activity and some properties of water-insoluble hetero-glycans from “Himematsutake”, the fruiting body of Agaricus blazei Murrill, Agric. Biol. Chem. 54 (1990) 2897–2906.

59.    H. Itoh, H. Ito, H. Amano, H. Noda, Inhibitory action of a (1-6)-_-glucan–protein complex (FIII-2-b) isolated from Agaricus blazei Murrill (“Himematsutake”) on meth a fibrosarcoma bearing mice and its antitumor mechanism, Jpn. J. Pharmacol. 66 (1994) 265–271.

60.    R. Denadai, P.L. Alves de Lima, D.M.F. Salvadori, A.F. da Eira, A.P. Bazo, L.R. Ribeiro, The protetive effect of mushroom (Agaricus blazei) teas on the genotoxicity induced by  cyclophosphamide, Genet. Mol. Biol. 21 (1998) 179.

61.    Regina Carla Rodrigues Notoya Menoli, Mário Sérgio Mantovani, Lúcia Regina Ribeiro, Günter Speit, Berenice Quinzani Jordão. Antimutagenic effects of the mushroom Agaricus blazei Murrill extracts on V79 cells Mutation Research 496 (2001) 5–13

62.    H. Itoh, H. Ito, H. Amano, H. Noda, Inhibitory action of a (1 → 6)-_-d-glucan–protein complex (FIII-2b) isolated from A. blazei Murrill (Himematsutake) on Meth A fibrosarcoma bearing mice and its antitumor mechanism, Jpn. J. Pharmacol. 66 (2) (1994) 265–271.

63.    Y. Osaki, T. Kato, K. Yamamoto, J. Okubo, T. Miyazaki, Antimutagenic and bactericidal substances in the fruit body of a Basidiomycete Agaricus blazei, Jun-17, Yakugaku-Zasshi 114 (5) (1994) 342–350.

64.    H. Kawagishi, R. Inagaki, T. Kanao, T. Mizuno, K. Shimura, H. Ito, T. Hagiwara, T. Nakamura, Fractionation and antitumor activity of water-insoluble residue of Agaricus blazei fruiting bodies, Carbohydr. Res. 186 (2) (1989) 267–273.

65.    H. Kawagishi, T. Kanao, R. Inagaki, T. Mizuno, K.Shimura, H. Ito, T. Hagiwara, T. Nakamura, Formolysis of a potent antitumor (1 → 6)-_-d-glucan–protein complex from Agaricus blazei fruiting bodies and antitumor activity of resulting products, Carbohydr. Polymers 12 (1990) 393–403.

66.    H. Ito, K. Shimura, H. Itoh, M. Kawade, Antitumor effects of a new polysaccharide–protein complex (ATOM) prepared from Agaricus blazei (IWADE Strain 101) Himematsutake and its mechanisms in tumor bearing mice, Anticancer Res. 17 (1997) 277–284.

67.    T. Ebina, Y. Fujimiya, Antitumor effect of a peptide– glucan preparation extracted from Agaricus blazei in a doublegrafted tumor system in mice, Biotherapy 11 (4) (1998) 259–265.

68.    Y. Fujimiya, Y. Susuki, R. Katakura, T. Ebina, Tumor-specific cytocidal and immunopotentiating effects of relatively low molecular weight products derived from the basidiomycete, Agaricus blazei Murrill, Anticancer Res. 19 (1A) (1999) 113–118.

69.    Y. Fujimiya, Y. Suzuki, K. Oshiman, H. Kozori, K. Moriguchi, H. Nakashima, Y. Matumoto, S. Takahara, T. Ebina, R. Katakura, Selective tumoricidal effect of soluble proteoglucan extracted from the basidiomycete, Agaricus blazei Murrill, mediated via natural killer cell activation and apoptosis. Cancer Immunol. Immunother. 46 (1998) 147–159.

70.    M. Mizuno, M. Morimoto, K. Minato, H. Tsuchida, Polysaccharides from Agaricus blazei stimulate lymphocyte T cell subsets in mice, Biosci. Biotechnol. Biochem. 62 (3) (1998) 434–437.

71.    S.P. Wasser, A.L. Weis, Therapeutic effects of substances occuring in higher Basidiomycetes mushrooms: a modern perspective, Crit. Rev. Immunol. 19 (1999) 65–96.

72.    Roberta Denadai Delmanto, Patrícia Lepage Alves de Lima, Marina Mariko Sugui, Augusto Ferreira da Eira, Daisy Maria Fávero Salvadori, Günter Speit, Lúcia Regina Ribeiro. Antimutagenic effect of Agaricus blazei Murrill mushroom on the genotoxicity induced by cyclophosphamide Mutation Research 496 (2001) 15–21

73.    Z.R. Guterrez, M.S. Mantovani, A.F. Eira, L.R. Ribeiro, B.Q. Jordão. Variation of the  antimutagenicity effects of water extracts of Agaricus blazei Murrill in vitro. Toxicology in Vitro & (&&&&) &–&.

Flores alimentícias e medicinais.


ALCACHOFRA Cynara scolymus Propriedades: Em forma de decocção, 80g/1litro de água pode ser usado contra cálculos biliares, 20g/1l de água fervido durante 5 min é ótimo como diurético. Estimula as funções hepáticas e da vesícula biliar, abaixa o nível de colesterol, é laxante e auxilia nos regimes de emagrecimento. Tenra e crua faz bem nos casos de anemia debilidade geral e raquitismo. É também um antidiarréico eficaz.

ARNICA Arnica montana Propriedades: O filósofo e poeta Alemão Goethe (1749-1832), utilizou a arnica para controlar a sua angina no peito. O uso de extratos de arnica e ungüento reduz inflamação e dor de contusões, torções, tendões, deslocações e áreas inchadas. Arnica melhora a circulação do sangue e acelera o restabelecimento. É anti-inflamatório e aumenta a reconstituição de sangramento interno. O uso interno de arnica é restringido a dosagens homeopáticas pois é potencialmente tóxico. Anti-inflamatório, germicida, inflamação muscular e dores musculares.

ARNICA BRASILEIRA Solidago chilensisPropriedades: amarga, vulnerária, estomáquica, antiespasmódica, anti-hemorrágica, anti-reumática, béquica e odontálgica. É usada em contusões, traumatismos, feridas, varizes, frieiras, pruridos, paralisia e fraqueza das articulações.

BRÓCOLIS – Anti-anêmico. Flores e folhas tem efeito laxativo. As folhas são também calmantes. O caldo das flores combate as inflamações do tubo digestivo.

CALENDULA Calendula officinalis Propriedades: Calêndula é uma das melhores ervas para tratar problemas locais de pele. Infusão ou decocção de pétalas de calêndula diminui a inflamação de torções, picadas, varicose, veias e outras inchações e também acalma queimaduras do sol, erupções cutâneas e irritações da pele. Essa planta é excelente para inflamações da pele causadas por contusão, seu poder anti-séptico e de restabelecimento ajudam a prevenir o alastramento de infecções e acelera o restabelecimento. Serve também na limpeza e desintoxicação, e a infusão e tintura são utilizadas para tratar infecções crônicas. Tomado internamente, tem sido utilizado tradicionalmente para promover o drenagem de glândulas linfáticas inchadas tal como amigdalite. Anti-inflamatório, adstringente, cura feridas, anti-séptico, desintoxicante.

CAMOMILA Matricaria chamomillaPropriedades: Suas flores ajudam na indigestão, nervosismo, depressões e dores de cabeça, sendo ideal para problemas relacionados às emoções tais como úlceras do estômago, colite, espasmos e indigestão nervosa. O óleo essencial da camomila tem poder anti-inflamatório, antiespasmódica e atividade anti-microbiana. É uma erva excelente para muitas desordens digestivas e para tensão nervosa e irritabilidade. Externamente, é utilizada para pele dolorida e eczema. CAMOMILA ROMANA (Chamaemelum nobile) também pode ser utilizada com as mesmas indicações. Anti-inflamatório, antiespasmódico, relaxante, carminativo, amargo, calmante dos nervos.

CAPUCHINHA Tropaeolum majus LPropriedades: É excelente fonte de caroteno, ferro, cálcio, enxofre e vitamina C. É indicada no tratamento do Escorbuto e escrofulose. Combate as infecções das vias respiratórias e urinárias. É afrodisíaca, reguladora menstrual, tonificante e revigorante.

COUVE-FLOR – Rico em cálcio e fortalece os ossos.

CRAVO-DA-ÍNDIA Eugenia caryophyllata syn. Syzgium aromaticum Propriedades: Os brotos secos da flor, são extensamente utilizados como tempero. Os brotos, folhas e talos são utilizados para extração do óleo do cravo. Ambos o óleo e os brotos da flor tem sido utilizados na medicina alternativa por um longo período de tempo. O óleo contém eugenol, um anestético forte e substância antisséptica. Também são conhecidos pelas suas propriedades antiespasmódicas e estimulantes. Anti-séptico, estimulante da mente e do corpo, analgésico, anti-bacteria, carminativo.

CRAVO-DE-DEFUNTO Tagetes minutaPropriedades: a planta é anti-helmíntica, emenagoga, aperiente, laxativa e sudorífica. É usada contra tosse, reumatismo articular, cólica intestinal,dispepsia, resfriado, defluxo, bronquite e afecções uterinas.

CRISÂNTEMO Chrysatemum morifoliumPropriedades: É utilizado contra febre alta, face vermelha, sudorese e cefaléia pulsátil. Alivia problemas no fígado, e é indicado para glaucoma, conjuntivite aguda e alérgica. Possui efeito bactericida e anti-viral e apresenta bons resultados no tratamento da hipertensão.

DENTE-DE-LEÃO Taraxacum officinalis Propriedades: Folhas: As folhas maduras e secas podem ser usadas para se fazer um chá contra a indigestão. Ajuda a combater problemas do fígado incluindo icterícia. O seu alto teor de vitamina e minerais é excelente contra anemia. A seiva reduz verrugas. Pode ser utilizado como um café alternativo que é menos danoso ao fígado e aos nervos, por causa dos seus óleos, que não possuem cafeína. Raízes: O chá das raízes pode ser utilizado como laxante mediano, estimulante do apetite, e para resolver problemas do estômago. Ativa o fígado na produção da bile e ajuda a eliminar toxinas do corpo e auxilia na digestão. Deve ser usado após ingerir carne ou comidas gordurosas. Por auxiliar o fígado a eliminar compostos inflamatórios como as histaminas, é utilizada para ajudar a reduzir reações alérgicas causadas por alimentos. Para fazer um chá amargo, use uma colher de sopa de raiz seca por xícara de água quente. Flores: As flores têm uma maior concentração de lecitina que os grãos de soja e reduz cegueira noturna se usado como vitamina A. As raízes são ricas em minerais e contêm Lecitina que emulsiona a gordura e abaixa o nível de colesterol e protege o sistema cardiovascular. O maior efeito das folhas e raízes é manter um fígado saudável e ajudar a desintoxicar qualquer toxina e substâncias estranhas no corpo. Também benéfico em ameaça de pressão sangüínea e ajuda na digestão.

 

Frutos com potencial medicinal

ABACATEIRO Persea americana Mill (LAURACEAE) Propriedades: É diurético, anti-anêmico, digestivo, colagogo e anti-helmíntico. É utilizado, também, para eliminar a caspa, detém a progressão da calvície, fortalecendo e suavizando o cabelo.  Hepatite, Infecção renal, Infecções da Bexiga, Cefaléia, Diurético, combate o reumatismo, o colesterol, a diarréia, abcessos e o ácido úrico.
 
ABACAXI Ananas comosus (L.) Merril (BROMELIACEAE) Princípio Ativo: Carboidratos, proteínas, bromelina, ácidos cítricos, málico e tartárico, pectina, dextrina, serotonina, vitaminas e varios sais minerais. Partes Usadas: O Fruto. Uso Popular: O fruto é delicioso, estomáquico, carminativo, contra azia e litíase, solvente do catarro mucoso das vias respiratórias e antiinflamatório. O suco em jejum é indicado contra a neurastenia.
 
ABIU – Os frutos, ao natural, agem contra afecções pulmonares. A casca da planta é antidisentérica e baixa a febre. O azeite extraído das sementes abranda  inflamações na pele.
 
ABRICÓ-DO-PARÁ – As sementes são indicadas contra vermes intestinais.
 
ACEROLA – Também chamada de cereja-das-antilhas, os frutos, frescos, agem contra disenteria.
 
AMEIXA – Os frutos maduros, frescos ou secos, assim como as folhas novas, são laxativas. O licor é digestivo. A infusão dos frutos secos ao forno e adoçados com mel combate o resfriado e a tosse. A cataplasma de folhas secas e uma pequena porção de fuligem, aplicadas sobre o ventre das crianças, ajudam a expelir vermes.
 
AMÊNDOA – A amêndoa amarga é antiespamódica. A doce é laxativa, purgativa e antiinflamatória.
 
AMORA-DO-MATO – Os frutos frescos e crus, agem contra anemia, falta de apetite e úlceras no estômago.
 
AMORA NEGRA – A casca da raiz age como vermífugo e purgante. Gargarejos com xarope do fruto são indicados nas inflamações da garganta e da boca, O fruto também é antidiarréico.
 
ARAÇÁ – As folhas tem propriedades anti-hemorrágicas e antidisentérricas.
 
ARATICUM DO CERRADO Annoma crassiflora– As sementes raladas, em infusão ou decocção , têm propriedades antireumáticas, antiinflamatórias, adstringentes e antiespamódicas. -: Indicações - diarréia e ferimentos.
 
AVELÃ – Tanto as folhas secas quanto o óleo são usados nas inflamações do intestino e detergente nas feridas.
Flores alimentícias e medicinais.

ALCACHOFRA Cynara scolymus Propriedades: Em forma de decocção, 80g/1litro de água pode ser usado contra cálculos biliares, 20g/1l de água fervido durante 5 min é ótimo como diurético. Estimula as funções hepáticas e da vesícula biliar, abaixa o nível de colesterol, é laxante e auxilia nos regimes de emagrecimento. Tenra e crua faz bem nos casos de anemia debilidade geral e raquitismo. É também um antidiarréico eficaz.
 
ARNICA Arnica montana Propriedades: O filósofo e poeta Alemão Goethe (1749-1832), utilizou a arnica para controlar a sua angina no peito.  O uso de extratos de arnica e ungüento reduz inflamação e dor de contusões, torções, tendões, deslocações e áreas inchadas. Arnica melhora a circulação do sangue e acelera o restabelecimento. É anti-inflamatório e aumenta a reconstituição de sangramento interno. O uso interno de arnica é restringido a dosagens homeopáticas pois é potencialmente tóxico. Anti-inflamatório, germicida, inflamação muscular e dores musculares.
 
ARNICA BRASILEIRA Solidago chilensisPropriedades: amarga, vulnerária, estomáquica, antiespasmódica, anti-hemorrágica, anti-reumática, béquica e odontálgica. É usada em contusões, traumatismos, feridas, varizes, frieiras, pruridos, paralisia e fraqueza das articulações.
 
BRÓCOLIS – Anti-anêmico. Flores e folhas tem efeito laxativo. As folhas são também calmantes. O caldo das flores combate as inflamações do tubo digestivo.
 
CALENDULA Calendula officinalis Propriedades: Calêndula é uma das melhores ervas para tratar problemas locais de pele. Infusão ou decocção de pétalas de calêndula diminui a inflamação de torções, picadas, varicose, veias e outras inchações e também acalma queimaduras do sol, erupções cutâneas e irritações da pele. Essa planta é excelente para inflamações da pele causadas por contusão, seu poder anti-séptico e de restabelecimento ajudam a prevenir o alastramento de infecções e acelera o restabelecimento. Serve também na limpeza e desintoxicação, e a infusão e tintura são utilizadas para tratar infecções crônicas. Tomado internamente, tem sido utilizado tradicionalmente para promover o drenagem de glândulas linfáticas inchadas tal como amigdalite. Anti-inflamatório, adstringente, cura feridas, anti-séptico, desintoxicante.
 
CAMOMILA Matricaria chamomillaPropriedades: Suas flores ajudam na indigestão, nervosismo, depressões e dores de cabeça, sendo ideal para problemas relacionados às emoções tais como úlceras do estômago, colite, espasmos e indigestão nervosa. O óleo essencial da camomila tem poder anti-inflamatório, antiespasmódica e atividade anti-microbiana. É uma erva excelente para muitas desordens digestivas e para tensão nervosa e irritabilidade. Externamente, é utilizada para pele dolorida e eczema. CAMOMILA ROMANA (Chamaemelum nobile) também pode ser utilizada com as mesmas indicações. Anti-inflamatório, antiespasmódico, relaxante, carminativo, amargo, calmante dos nervos.
 
CAPUCHINHA  Tropaeolum majus LPropriedades: É excelente fonte de caroteno, ferro, cálcio, enxofre e vitamina C. É indicada no tratamento do Escorbuto e escrofulose. Combate as infecções das vias respiratórias e urinárias. É afrodisíaca, reguladora menstrual, tonificante e revigorante.
 
COUVE-FLOR – Rico em cálcio e fortalece os ossos.
 
CRAVO-DA-ÍNDIA Eugenia caryophyllata syn. Syzgium aromaticum Propriedades: Os brotos secos da flor, são extensamente utilizados como tempero. Os brotos, folhas e talos são utilizados para extração do óleo do cravo. Ambos o óleo e os brotos da flor tem sido utilizados na medicina alternativa por um longo período de tempo. O óleo contém eugenol, um anestético forte e substância antisséptica. Também são conhecidos pelas suas propriedades antiespasmódicas e estimulantes. Anti-séptico, estimulante da mente e do corpo, analgésico, anti-bacteria, carminativo.
 
CRAVO-DE-DEFUNTO Tagetes minutaPropriedades: a planta é anti-helmíntica, emenagoga, aperiente, laxativa e sudorífica. É usada contra tosse, reumatismo articular, cólica intestinal,dispepsia, resfriado, defluxo, bronquite e afecções uterinas.
 
CRISÂNTEMO Chrysatemum morifoliumPropriedades: É utilizado contra febre alta, face vermelha, sudorese e cefaléia pulsátil. Alivia problemas no fígado, e é indicado para glaucoma, conjuntivite aguda e alérgica. Possui efeito bactericida e anti-viral e apresenta bons resultados no tratamento da hipertensão.
 
DENTE-DE-LEÃO Taraxacum officinalis Propriedades: Folhas: As folhas maduras e secas podem ser usadas para se fazer um chá contra a indigestão. Ajuda a combater problemas do fígado incluindo icterícia. O seu alto teor de vitamina e minerais é excelente contra anemia. A seiva reduz verrugas. Pode ser utilizado como um café alternativo que é menos danoso ao fígado e aos nervos, por causa dos seus óleos, que não possuem cafeína. Raízes: O chá das raízes pode ser utilizado como laxante mediano, estimulante do apetite, e para resolver problemas do estômago. Ativa o fígado na produção da bile e ajuda a eliminar toxinas do corpo e auxilia na digestão. Deve ser usado após ingerir carne ou comidas gordurosas. Por auxiliar o fígado a eliminar compostos inflamatórios como as histaminas, é utilizada para ajudar a reduzir reações alérgicas causadas por alimentos. Para fazer um chá amargo, use uma colher de sopa de raiz seca por xícara de água quente. Flores: As flores têm uma maior concentração de lecitina que os grãos de soja e reduz cegueira noturna se usado como vitamina A. As raízes são ricas em minerais e contêm Lecitina que emulsiona a gordura e abaixa o nível de colesterol e protege o sistema cardiovascular. O maior efeito das folhas e raízes é manter um fígado saudável e ajudar a desintoxicar qualquer toxina e substâncias estranhas no corpo. Também benéfico em ameaça de pressão sangüínea e ajuda na digestão.

 

Recomendações para a conservação da qualidade pós-colheita para maçã "Fuji".


Índices de maturidade


     * Os frutos devem ser colhidos antes da degradação amido se completar. 
     * A colheita deverá ocorrer após 180 a 190 dias a partir da plena floração para reduzir os distúrbios pós-colheita (rachaduras na casca e escurecimento interno). 

Indices de qualidade


     * Firmeza, frescura, sem manchas. 
     * Sabor, sólidos solúveis totais e acidez titulável. 
     * Sem defeitos, tais como amassamentos, danos por quedas, rachaduras, fissuras na casca, mancha preta, ferimentos por insetos, doenças, etc.

Temperatura ótima.
0 ± 1°C

Umidade relativa do ar (ótima).
90 a 95% 

Taxas de Respiração 
4 a 6 ml/kg.hr a 0°C. Para calcular a produção de calor, multiplicar por 440 ml CO2/kg hr para obter Btu/ton/dia ou por 122 para obter kcal/tonelada/dia. 

Taxas de produção de etileno.
2 a 4 μL/kg.hr a 0°C.

Respostas ao Etileno.
O etileno pode acelerar a senescência e a perda da firmeza. Uma redução na concentração de etileno pode reduzir a susceptibilidade a queima causada pelo sol. 

Respostas à atmosfera controlada. 
Atmosfera ideal para maçã Fuji: 
- <0,5% de dióxido de carbono (Nota: As maçãs colhidas mais tarde (além de 180 dias depois da floração) não devem ser armazenadas em atmosfera controlada. Mesmo em 0,5% CO2, neste caso o escurecimento interno pode se desenvolver. 

- 1,5 a 2,0% de oxigênio. 

     * Mantém a firmeza e acidez. 
     * Reduz a susceptibilidade a pinta preta e queimadura pelo armazenamento. 
     * Pode ser armazenado por até 8 meses sob atmosfera controlada. 


Distúrbios fisiológicos.
Escaldadura (queima) pelo armazenamento. As maçãs Fuji são pouco a moderadamente suscetíveis à escaldadura, os frutos colhidos mais cedo são mais sensíveis à escaldadura. O armazenamento sob atmosfera controlada reduz incidência a escaldadura. 

A ocorrência da pinta preta tem sido observada em pequena porcentagem de frutos. A colheita mais cedo, frutos jovens grandes e árvores mais vigorosas são mais susceptíveis. A aplicação de cálcio na pré-colheita são mais eficientes para reduzir a pinta preta. A aplicação pós-colheita na forma de imersão no cálcio também são benéficas. 

Proporção de cálcio usada no tratamento por imersão:
- 2 a 3% flocos sólidos (77% CaCl2) 
- 1,5 a 2% cloreto de cálcio (CaCl2) 
- 0,5 a 0,8% de íons cálcio (Ca+2) 

Escurecimento interno na maçã, aparece como resultado de emissões de dióxido de carbono. Deve-se manter o nível de CO2 no armazenamento abaixo de 0,50% e não se deve colocar maçãs colhidas após 180 dias após o florescimento armazenada em atmosfera controlada. 

As maçãs Fuji parecem ser mais sensíveis à rachadura da casca, a causa ainda não é bem conhecida. 

Transtornos patológicos 
A maçã Fuji é suscetível a podridão, assim como ocorre na variedade Red Delicious, devido a uma abertura do tubo do cálice. Não são conhecidas medidas de tratamento, mas a sanidade no pomar é muito importante. 

Mofo cinzento.

     * Evitar ferimentos nos frutos. 
     * Sanitizar os sistemas de água com cloro. 
     * Resfriar os frutos rapidamente.

Podridão por oídio que são fungos que permanecem na plantação. Não se devem deixar os frutos atacados no pomar, o cloro não serve como controle desse organismo e não há fungicidas efetivos, o fungo continua a crescer lentamente até mesmo a 0°C. 

Saneamento dos sistemas hídricos.

O saneamento das águas utilizadas para lavagem das maçãs é importante. Cloro em 50 a 100 ppm é muito eficaz, mas o nível de cloro disponível e solução pH (7,0), devem ser monitorados com freqüência e ajustados. O hipoclorito de sódio pode ser usado mas também pode queimar os tecidos da maçã.